quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Carneiros são atacados por cães na zona rural de Capim Grosso

Um dos graves problemas hoje da caprinovinocultura de Capim Grosso, não está na estiagem, no sol forte, nas poucas cabeças de um produtor aqui, outro ali, mas sim na violência imposta por cães contra esses animais.

São vários os registros de ovelhas mortas por ataques em vários pontos do município, o que vem causando muitos transtornos e prejuízos enormes para os criadores, produtores, para toda a cadeia de corte, de comercialização do leite e dos animais.
O ataque de cinco animais, foi registrado na madrugada de sábado, 07 de Setembro, na Fazenda Lajedinho. Dos cinco animais feridos, dois morreram no ataque e três sobreviveram, mas vão precisar de atendimento e cuidados.

De acordo com informações do vereador Nego do Lajedo, que tem propriedade vizinha ao local, os sobreviventes irão precisar de muita atenção do proprietário, que ficou por sinal muito chateado diante do registro e que a tendência é encerrar o criatório.
“Um prejuízo muito grande para o município de Capim Grosso”, relatou o vereador dizendo que algo precisa ser feito com urgência para reverter tal situação. “Já ultrapassou os limites possíveis”, disse o Edil e mais: “Tudo que você pode imaginar para proteger esses animais dos ataques tem sido feito, mas a situação só se agrava no município”, disse o edil.
Um produtor de grande porte chegou a relatar a nossa reportagem, que já perdeu mais de 200 cabeças, assim como muitos outros relatos, tendo como consequência os ataques de cães, que segundo informações levantadas em outras situações, seriam cães que perambulam pelas Ruas de cidades da região, inclusive Capim Grosso.
O vereador citou em entrevista na noite desta segunda-feira, 09, na Rádio transamérica, que está sendo trabalhada com o vereador Nanal Vilas Boas, uma audiência pública, com representantes da Bacia do Jacuípe, para tratar sobre animais que vivem perambulando pelas Ruas da cidade e que o assunto dos ataques contra animais da Caprinovicultura, também comporá o debate. “Um amigo colocou em um grupo de WhatsApp: “Se não tomarmos uma providência, amanhã vamos ter que comer carne de cachorro”, colocou Nego do Lajedo.


Fonte: Repórter Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário