terça-feira, 9 de junho de 2020

Após polêmica, diretor da OMS diz que transmissão de assintomáticos segue ocorrendo

Após revelar que a transmissão do coronavírus por pessoas assintomáticas é "rara", a Organização Mundial da Saúde esclareceu que isso não significa que a preocupação deve deixar de existir. Nesta terça-feira (9), o diretor de emergências da entidade, Michael Ryan, disse que a "transmissão por casos assintomáticos está ocorrendo, a questão é saber quanto". As informações são da coluna Bem Estar, do G1. Leia +


A frase sobre a transmissão ser rara foi dita nesta segunda-feira (8), pela chefe do programa de emergências da OMS, Maria van Kerkhove, e foi usada pelo presidente Jair Bolsonaro como pretexto para acelerar a reabertura total do comércio.

Nesta terça, Van Kerkhove tentou esclarecer o mal-entendido. "A maioria das transmissões que conhecemos ocorre por pessoas com sintomas que transmitem o vírus a outras pessoas por meio de gotículas infectadas. Mas há um subconjunto de pessoas que não desenvolvem sintomas. Acho que é um mal-entendido afirmar que uma transmissão assintomática globalmente é muito rara, sendo que eu estava me referindo a um subconjunto de estudos. Também me referi a alguns dados que ainda não foram publicados, e essas são as informações que recebemos de nossos Estados-Membros", explicou.

Quando fez a análise nesta segunda, van Kerkhove tomou como base países com grande capacidade de testagem e rastreio. A chefe de emergências também disse que, em alguns casos, descobre-se que pacientes tiveram sintomas leves da infecção quando é feita uma segunda análise dos supostos casos assintomáticos.

O diretor do Instituto de Saúde Global da Universidade de Harvard, Ashish K. Jah, tentou esclarecer o pronunciamento por meio de seu Twitter. Ele revelou que qaqueles que apenas 20% dos infectados não desenvolvem nenhum sintoma, mas que mesmo assim são formas importantes para a transmissão da Covid-19.

"Muitos deles já espalham o vírus antes de desenvolver sintomas. Eles são, tecnicamente, pré-sintomáticos e não assintomáticos", ressaltou o pesquisador.

Fonte: Bahia Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário